ARCHIPELAGO




O Arquipélago dos Bijágos é uma reserva da biosfera com 88 ilhas, na Guiné-Bissau, África ocidental, com uma população estimada de 30.000 habitantes. Neste território, vários atores, liderados pelo IBAP – Instituto da Biodiversidade e Áreas Protegidas – estão atualmente a trabalhar de forma intensiva com o objetivo conjunto de fazer com que o arquipélago ser reconhecido pela UNESCO como Património da Humanidade, especialmente para proteger as rotas migratórias das aves, cada vez mais ameaçadas, e sanear outros problemas de carácter ecológico. Assumida, por alguns académicos, como originalmente matriarcal, a comunidade dos Bijagós foi umas das que mais resistiu ao colonialismo português. A relação simbiótica com o meio ambiente tem um papel importante na cosmologia do arquipélago; a sacralização da flora, da fauna e das terras deriva de uma intrínseca necessidade de conservação da natureza. Algumas ilhas e zonas marinhas são consideradas santuários e de acesso proibido num determinado período do ano. Isto tem a ver com as mitologias locais que objetivam intrinsecamente a proteção do sensível fenómeno reprodutivo sensível da fauna e do seu ritual, num sentido ecológico.